Simone Lial

Nascida em Ramos, Rio de Janeiro, numa família de extrema musicalidade, Simone Gonçalves de Barros Lial desde o berço vem lapidando sua memória musical de forma bem democrática. O apetite sonoro começou cedo. No repertório dos vinis paternos, as vozes femininas eram as favoritas da então garotinha de sete anos. Na parada de sucessos particular, em primeiríssimo lugar estava Clara Nunes. “Eu ficava encantada com a voz e o jeito dela cantar”, lembra. O gosto apurado incluía Elis Regina, Elizeth Cardoso e Ella Fitzgerald. Com o pai, José Manuel, aprendeu a gostar de Baden Powell, Roberto Ribeiro, Tim Maia, Jorge Ben Jor, Aracy de Almeida, Cyro Monteiro, Cartola, Tom Jobim, Chico Buarque, Paulinho da Viola, Vinícius de Moraes, John Coltrane, Stan Getz, Billie Holliday, Chet Baker e tantos outros. “A minha formação musical começou ali. Ouvi muitas coisas diferentes: samba, jazz, MPB e até brega”, conta Simone, que quando não estava com os ouvidos colados na vitrola, escutava música na Rádio Nacional. Da mãe Mary, herdou a bela voz e o gosto pelo canto. Talvez por conta dessa herança genética, a diversão predileta da menina era cantar diante do espelho com um figurino composto pelas roupas e sapatos de salto alto da mãe. Durante a brincadeira de faz-de-conta, deixava a timidez de lado e assegurava seu espaço no mundo. “Era uma catarse”, resume. A vocação artística começou a aflorar nas participações no coral infantil do Instituto Pio XI, onde cursou o Ensino Fundamental. Na escola, tinha outro dom: as redações criativas e bem redigidas. Daí a vontade de estudar Comunicação Social, curso iniciado na Faculdade da Cidade e concluído na Hélio Alonso. Em meio à efervescência cultural dos projetos estudantis, teve contato com gente boa como Leila Pinheiro, Moacyr Luz, Nelson Sargento, Cazuza, Paulinho da Viola e Cláudio Zoli. Encantada com a música, resolveu estudar canto com Angela Ferreira e mais tarde com Diana Goulart. O namoro com os palcos começou na Lapa. A simbiose com o reduto boêmio-cultural, que ela tem orgulho de ter ajudado a revitalizar, teve início há doze anos. Foi em 1996 que Simone fez seu primeiro show com o grupo Disfarça e Chora no Arco da Velha. Na ocasião, apresentou Lefê Almeida a Alberto Vicente, que mais tarde, em associação a Thiago Cesário Alvim (atual dono do Carioca da Gema), abriram o Coisa da Antiga, depois rebatizado de Emporium 100. Os ventos renovadores começavam a soprar. Participou da fundação do CPC Aracy de Almeida e, logo depois, montava com Beto Boscarino, Luciana Oliveira, André Rios, Luciano Macedo e Chico Abreu um grupo chamado Goiabada Cascão. Começaram reunindo-se numa singela roda de samba num bar do Flamengo. Até que surgiu a oportunidade de passarem a se apresentar todos os sábados no Empório 100. O grupo agradou e começou a formar um público cativo. Depois de três anos de estrada, quando o caminho enveredou por uma trilha mais profissional, conflitos de interesses acabaram por dissolver o Goiabada Cascão. Simone seguiu em frente. Como convidada, passou a cantar com grupos como o Garrafieira e integra a orquestra de Itamar Assiére, a Jazzfieira. Participou de vários projetos como o Sax Sambando de Rafael Velloso e o Batucada Urbana, de Henri Lentino. Tem dois grupos de samba, o Ponto Sem Nó e o Patuá. Ela também é cantora da orquestra do maestro Humberto Araújo, a Criola. Tudo isso, sem se esquecer de cuidar da voz nas aulas de canto com Suely Mesquita e nas sessões com a fonoaudióloga Maryse Müller. “Elas fazem um trabalho estético maravilhoso na minha voz”, elogia Simone, que também ensina o que sabe como professora de canto. Em sua melhor forma artística, quando completa doze anos de carreira, Simone Lial está com a usina de idéias a pleno vapor. Sem pressa, mas sem perder tempo.
Previous
Next Post »

1 comentários:

Write comentários
25/02/2009 21:29 delete

AGENDA DE SHOWS
________________________________________
27 fev 2009, 23:00 11:00 PM - Bar da Ladeira
Rua Evaristo da Veiga, 149 - Lapa, Rio, Rio de Janeiro - R$ 14,00

Simone Lial e Ponto Sem Nó 2224-9828 (noite) 2266-1014 (dia)
________________________________________
07 mar 2009, 23:00 11:00 PM - Teatro Odisséia
Av. Mem de Sá, 66, Rio, Rio de Janeiro - R$ 20, R$ 16 (com filipeta) | Lista amiga: R$ 12 (até 23h) depois R$ 16
Projeto VOZES DA LAPA com Simone Lial, Pati Oliveira, Karla da Silva e Roberta Espinosa 2224-6367 (noite) 2266-1014 (dia)
________________________________________
14 mar 2009, 23:00 11:00 PM - Bar da Ladeira
Rua Evaristo da Veiga, 149 - Lapa, Rio de Janeiro, Rio de Janeiro - R$ 14,00
Simone Lial e Ponto Sem Nó 2224-9828 (noite) 2266-1014 (dia)
________________________________________
21 mar 2009, 23:00 11:00 PM - Teatro Odisséia
Av. Mem de Sá, 66, Rio, Rio de Janeiro - R$ 20, R$ 16 (com filipeta) | Lista amiga: R$ 12 (até 23h) depois R$ 16

Projeto VOZES DA LAPA com Simone Lial, Pati Oliveira, Karla da Silva e Roberta Espinosa 2224-6367 (noite) 2266-1014 (dia)
________________________________________
24 mar 2009, 20:00 08:00 PM - Teatro da UFF
Rua Miguel de Frias, 9, Niterói, Rio de Janeiro -

Show "É Batata" - homenagem do Tio Samba ao centenário de Carmem Miranda. Na qualidade de “orquestra típica de samba”, o Tio Samba comemora o centenário de nascimento da maior cantora da Era de Ouro, interpretando, com novos arranjos, sambas de seu repertório, alguns deles clássicos populares como “Na Baixa do Sapateiro”, de Ary Barroso, “Alô, Alô”, de André Filho e “Adeus Batucada”, de Synval Silva, e outros não tão conhecidos como “Fon Fon”, de Braguinha e Alberto Ribeiro, e “Gira”, também de Ary Barroso. Neste show comemorativo, o Tio Samba destaca um universo não muito explorado em outras homenagens à cantora: os duetos. Dessa forma, grande parte das músicas do espetáculo será interpretada por Carlos Mauro, cantor do grupo e pela cantora Simone Lial, que aceitou o convite para integrar o grupo. “Para nós do Tio Samba – ressalta Carlos Mauro -, contar com Simone Lial para esta homenagem à Carmen Miranda é um grande trunfo e um imenso prazer. Já trabalhamos com ela no espetáculo em comemoração ao centenário de Ary Barroso em 2003 e foi ótimo. É uma cantora que alia um belo timbre de voz a uma técnica apurada, tem grande versatilidade e uma forte empatia com o público, além de sua característica “alegria de cantar”, talentos estes que a aproximam da nossa homenageada”. O Tio Samba é formado por Carlos Mauro (voz e gaita), Simone Lial (voz), Marcio Contente (sax tenor), Whatson Cardoso (clarineta e sax alto), Fabiano Segalote (trombone e bombardino), Matheus Pardal (trompete), Davi Nasa (tuba), Bernardo Dantas (violão), Thiago Cunha (cavaquinho), Marconi Bruno, Daniel Karin e Felipe Tauil (percussão). Antes do show, graças a uma parceria com o Centro Técnico Audiovisual, órgão vinculado à Secretaria do Audiovisual do Ministério da Cultura será exibido o documentário “Carmen Miranda”, de Jorge Ileli, que apresenta cenas da vida da cantora e de seus filmes, mostrando seus números musicais e um depoimento de César Ladeira.
________________________________________
06 abr 2009, 21:00 09:00 PM - CCC - Centro Cultural Carioca
Rua do Teatro, 37, Rio de Janeiro, Rio de Janeiro - R$ 20,00

Show "É Batata" - homenagem do Tio Samba ao centenário de Carmem Miranda. Na qualidade de “orquestra típica de samba”, o Tio Samba comemora o centenário de nascimento da maior cantora da Era de Ouro, interpretando, com novos arranjos, sambas de seu repertório, alguns deles clássicos populares como “Na Baixa do Sapateiro”, de Ary Barroso, “Alô, Alô”, de André Filho e “Adeus Batucada”, de Synval Silva, e outros não tão conhecidos como “Fon Fon”, de Braguinha e Alberto Ribeiro, e “Gira”, também de Ary Barroso. Neste show comemorativo, o Tio Samba destaca um universo não muito explorado em outras homenagens à cantora: os duetos. Dessa forma, grande parte das músicas do espetáculo será interpretada por Carlos Mauro, cantor do grupo e pela cantora Simone Lial, que aceitou o convite para integrar o grupo. “Para nós do Tio Samba – ressalta Carlos Mauro -, contar com Simone Lial para esta homenagem à Carmen Miranda é um grande trunfo e um imenso prazer. Já trabalhamos com ela no espetáculo em comemoração ao centenário de Ary Barroso em 2003 e foi ótimo. É uma cantora que alia um belo timbre de voz a uma técnica apurada, tem grande versatilidade e uma forte empatia com o público, além de sua característica “alegria de cantar”, talentos estes que a aproximam da nossa homenageada”. O Tio Samba é formado por Carlos Mauro (voz e gaita), Simone Lial (voz), Marcio Contente (sax tenor), Whatson Cardoso (clarineta e sax alto), Fabiano Segalote (trombone e bombardino), Matheus Pardal (trompete), Davi Nasa (tuba), Bernardo Dantas (violão), Thiago Cunha (cavaquinho), Marconi Bruno, Daniel Karin e Felipe Tauil (percussão). Antes do show, graças a uma parceria com o Centro Técnico Audiovisual, órgão vinculado à Secretaria do Audiovisual do Ministério da Cultura será exibido o documentário “Carmen Miranda”, de Jorge Ileli, que apresenta cenas da vida da cantora e de seus filmes, mostrando seus números musicais e um depoimento de César Ladeira.
________________________________________

Reply
avatar